quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Fanfic " Mamãe Sem querer" (Capítulo 9- Final)



Autora da Fic: Gabi Cullen
Censura: +15
Informações: Essa fic é uma adaptação do livro "Mamãe sem querer", da autora Kate Walker
Sinopse: Um bebê a caminho... Um casamento forçado! A oportunidade de ter uma noite com Edward Cullen era mais do que qualquer mulher podia desejar. E Isabella não era exceção. Apaixonada por Edward desde a adolescência, não pôde mandá-lo embora quando ele bateu à sua porta. Mas não considerara as possíveis conseqüências.
Capítulos: 09 (Categoria Short-Fic)

*Capítulos Postados: 1 2 3 4 5 6 7 8

N-A: Em primeiro lugar queria agradecer as minhas fiéis leitoras que comentaram os capítulos, em segundo pedir desculpas pela demora. No geral , essa é a minha 4 fic sendo postada aqui no Blog, mas essa temporada foi a primeira que atrasei, por conta das mudanças internas do Blog e tambem por problemas pessoais que tive, por isso andei ausente da net. Mas segue abaixo o fim da nossa história para voces acompanharem, sem mais delongas x_x ...Fortes emoçoes abaixo *_*

Capítulo 9 (Final)

- Edward... Tanya também voltara a atenção ao homem silencioso.
- Edward, diga a ela!
Mas Edward parecia determinado a deixá-las lutar, permanecendo teimosamente calado, sem demonstrar nenhuma emoção.
- E a criança? E isso que está detendo você? — O tom na voz da loira indicava um novo aspecto de insegurança onde antes só havia convicção. — Se eu soubesse que queria tanto um filho, eu teria lhe dado um. Você ainda teria uma filha ou...
- Mas não esta — manifestou-se Edward, finalmente.

- Esta?
Tanya parecia atônita e balançou a cabeça, incrédula. Isabella não conseguia deixar de olhar para Edward e notou a mudança, a luz no olhar que não estava ali pouco antes, ou melhor, que sumira quando ele a surpreendera no corredor.
- O que há com esse bebê em particular? — questionou Tanya, aparentemente alheia à aspereza do tom. — O que a faz tão especial?
- A mãe dela.
Três palavras simples, mas faladas com clareza e firmeza, não permitiam argumentos ou contradições.
Para Isabella, eram as palavras mais maravilhosas que já ouvira.
- A mãe dela?! — Tanya era só ceticismo. A mãe! A filha ilegítima de uma empregada da família!
A definição era rude, mas, de algum modo, perdera a capacidade de magoar. A declaração de Edward atingira Tanya como flechas envenenadas disparadas por arcos potentes.
- E quem sabe quem é o pai?
- Você sabe de alguma coisa? — indagou Edward, deliberadamente casual e indiferente. — O fato é que eu não dou a mínima. Se o pai é Jack, o Estripador ou o imperador da China, não muda nada. Isabella em si é única, uma pessoa muito especial. Não importa quem tenham sido seus pais, ela é perfeita em si, adorável e é só isso que me importa.
Adorável. Isabella sentiu a cabeça rodar, os olhos tão embaçados que mal podia ver o rosto de Edward. Ele dissera mesmo adorável?
- Qualquer uma poderia ser a mãe de seu filho!
Tanya tentou mais uma vez, mas o espírito combativo já não estava presente no tom de voz. À hesitação da outra, Isabella piscou para clarear a visão e focalizou o rosto do marido. Então, finalmente, viu o que a outra devia estar vendo.
Edward voltou-se para Tanya, fitando-a com intensidade.
- Qualquer uma podia ser a mãe do meu filho — concordou, mantendo o olhar em Isabella. — Qualquer mulher com quem eu tenha dormido, com quem eu tenha feito sexo. Mas só Isabella pode ser minha esposa no sentido mais amplo, verdadeiro e poderoso da palavra.
Ignorando Tanya, que se dirigia para a porta de saída, Edward dirigiu-se a Isabella:
- Bella, você disse que se um dia eu encontrasse alguém com quem desejasse viver, você não ficaria no caminho...
Por um segundo assustador, Isabella sentiu a esperança no coração arrefecer. Então, Edward avançou alguns passos e tomou-lhe as mãos, sem deixar de encará-la um instante sequer.
- Bem, eu... eu encontrei alguém que faz meu mundo mais brilhante simplesmente com sua existência, sem quem o mundo seria vazio, a vida, sem sentido. Então, vai manter a palavra? Vai me ajudar a ficar com ela para sempre?
- Ajudar... como?
Ele estaria falando o que ela achava que estava? O que ela esperara, rezara para ouvir? Seria possível? Podia ousar sonhar com aquilo?
- Como posso ajudá-lo?
Se Isabella ainda tinha dúvidas, o sorriso lento e gentil de Edward, além do olhar animado, dissipou-as todas. Ela soube que não era a única a entender o significado daquela expressão, pois ouviu a porta fechar-se com uma batida, indicando que Tanya saíra precipitadamente.
Entendeu que a interpretação fora correta, que não estava enganando-se por esperança, pelos seus próprios sonhos, por suas próprias necessidades.
Tanya fora capaz de ler em seu olhar o amor por Edward, e também identificara o que ele sentia em relação a ela.
- O que devo dizer a essa mulher? — perguntou. — O que quer que eu diga a ela?
- Diga-lhe que a amo com todo o meu coração, que não posso viver sem ela, que preciso dela, que a quero! Mas, principalmente, por favor, faça-a sentir o mesmo por mim. E, se ela sentir, faça-a demonstrar isso antes que a agonia da incerteza me mate. Pergunte se ela...
- Oh, ela ama! — interrompeu Isabella, incapaz de conter-se. — Ela ama de verdade. Eu amo! Eu te amo tanto, Edward... Sempre amei.
- E eu te amo, Isabella.
De repente, ela percebeu o que tinha dito e Edward lançou-lhe aquele olhar obscurecido.
- Sempre?
- Sempre — afirmou Isabella, com um sorriso tímido.
- Mas... Bella, doçura, precisamos conversar... parece que estivemos nos desencontrando por muito tempo.
- Parece. Mas antes de conversarmos... — Ela ainda mal podia acreditar, não absorvera o fato de ele ter dito que a amava. — Você me faria um favor?
- Qualquer coisa. O que é?
Mesmo antes que ela se pronunciasse, ele já lera em seu olhar e, aproximando-se, abraçou-a e capturou-lhe os lábios com tal paixão que ela suspirou de alívio quando ele a liberou.
- Assim é melhor? — perguntou Edward, gentil, e seu olhar brilhou quando ela assentiu e levou os dedos aos lábios, como se quisesse imprimir aquela marca ali para sempre. — É só um pequeno adiantamento, até arranjarmos tudo.
De mãos dadas, ele a conduziu ao sofá, instalou-a confortavelmente e acomodou-se também.
- Então, me diga... quando soube que me amava? Você disse sempre, mas não deve querer dizer... — interrompeu-se ao ver Isabella assentindo.
- Eu sempre gostei muito de você, desde pequena — confessou Isabella. — Mas, desde o instante em que você veio em meu socorro após o acidente, algo mais forte surgiu. Eu até tentei lhe dizer... mas você apenas riu!
- No seu décimo oitavo aniversário? — Edward respirou fundo e passou a mão pelo cabelo. — Eu não sabia como lidar com aquilo, meu bem.
- Pareceu mesmo! — Isabella riu.
- Era isso ou explodir... Gritar com você para manter-se afastada de assuntos que não entendia e que podiam magoá-la ainda mais. Além disso, não fazia idéia de que estava falando sério. Pensei que fosse efeito do vinho.
- Talvez fosse. Eu achava que o que sentira era apenas um repente adolescente... nada parecido com o que vim a sentir mais tarde.
- Mas você negou isso.
- Porque não sabia como você se sentia e estava assustada.
- Você disfarçou bem.
- Você também não foi todo atenção! — protestou Isabella. — Case-se comigo, ou senão... — interrompeu-se quando ele a beijou para calá-la.
- Oh, eu sei... eu sei — resmungou Edward, contra seus lábios. — Mas não pude pensar em outra forma de manter você do meu lado. Eu a queria tão desesperadamente... sabia que não poderia viver sem você... e a sua gravidez parecia uma dádiva de Deus... O que foi?
Mantendo-o a um braço de distância, Isabella avaliou seu semblante. Havia cor nas faces e brilho no olhar.
- Você me queria naquele momento? — indagou ela. — Sabia que não podia viver sem mim? Por que simplesmente não disse isso?
- E você teria ouvido? Raios, Bella, você não me deu sinal algum... não me ajudou em nada! E eu sabia a opinião severa que tinha a meu respeito.
- Eu... Oh... Aquele dia na escola!
- Exatamente. — Edward assentiu, contraindo os lábios. — Eu não tinha dúvida quanto ao baixo conceito que você tinha a meu respeito... mas era tudo verdade. Eu realmente tinha um histórico comprometedor. Se me perguntasse, eu diria que estava apenas me divertindo e, talvez, de certa forma, me debatesse contra a insistência de meus pais em relação a dever e maturidade. Mas, em retrospecto, acho que era algo mais. Acho que talvez já estivesse meio apaixonado por você, sem saber.
- Oh, vamos, Edward! — Isabella não conseguiu reter o protesto. — Você não podia estar. Ficou longe de mim durante anos. Você... até pediu Tanya em casamento.
- Eu sei. — Edward tomou-lhe as mãos e segurou-as gentilmente. — Ouça, deixe-me tentar explicar. Durante todos aqueles anos, você foi território proibido. Parecia que, sempre que eu olhava para você, havia placas "fique longe" e "não toque" ao redor. Eu me esforcei tanto para não notar você que, no final, acabei me convencendo. Então, voltei para Londres e me atirei ao trabalho. E me diverti bastante também, foi assim que conheci Tanya.
Ele suspirou mais uma vez e balançou a cabeça com as lembranças.
- Eu fui completamente honesto quando lhe disse por que queria me casar. Eu só omiti o fato de que Tanya nunca tinha sido o amor de minha vida. Nós nos dávamos bem e ela parecia muito adequada, mas, assim que ela disse sim, comecei a me sentir inquieto. Não sabia por quê. Pensava que tinha feito tudo certo...
Isabella consolou-o com um afago antes que ele prosseguisse:
- Mas, então, Tanya me deu o fora e eu voltei para Ellerby para cuidar das minhas feridas e, durante todo o trajeto, só fiquei me lembrando de que você morava no vilarejo. Eu queria estar com você, conversar com você, por isso, vim correndo para Yorkshire. Assim que cheguei a Ellerby, porém, perdi toda a confiança e parei para tomar uma bebida.
- Você bebeu para tomar coragem para ir a minha casa? — Isabella estava provocando. Parecia incrível que Edward, o confiante e autoritário Edward, houvesse temido enfrentá-la.
- Pelo contrário, as primeiras doses foram para tentar me distrair da necessidade de vê-la. Afinal, depois do que acontecera conosco no passado, não sabia se você queria me ver. Eu estava com medo de que você batesse a porta na minha cara. Mas não consegui ficar longe e, assim que entrei na sua sala, me senti muito melhor. De repente, nada mais importava. Era como se eu pertencesse àquele lugar, como se tivesse encontrado a paz.
- Mas tudo o que fiz foi agredi-lo.
- Foi? — Edward sorria largo. — Eu gostei daquilo também. Estava começando a perceber que só pedira Tanya em casamento devido ao senso de dever que me foi incutido. Mas só quando você me perguntou por que eu queria me casar, quando você me disse que tinha que ser tudo ou nada, foi que percebi o quanto estava errado. Eu tinha motivos fracos e pouco significativos para me casar. Mas, daquele ponto em diante, tudo complicou-se.
- Complicou-se? — Isabella obteve um assentimento como resposta.
- Quanto mais a via, mais eu gostava de você. Queria ficar ali com você para sempre.
- Mas você estava determinado a ir embora. — Ela entendeu a resposta assim que falou e ouviu Edward confirmar sua teoria.
- Claro que estava. Eu sabia o que aconteceria se ficasse e estava certo... Nunca percebi como seria o fim do mundo. Mas não lamentei nem por um segundo. Fazer amor com você confirmou o que eu já sabia, que você era a mulher que eu queria e que só estivera brincando com as outras, passando o tempo, esperando você crescer. Acordei na manhã seguinte determinado a dizer-lhe tudo isso...
- E encontrou aquele bilhete! Edward, eu só estava tentando...
- Eu sei o que você estava fazendo — interrompeu Edward, gentilmente. — Ou melhor, agora eu sei. Na ocasião, fiquei furioso... depois, assustado, pois sabia que o que sentia não era o que você queria em absoluto. Eu queria conversar... por isso, fui até a escola. Não estava procurando por Emmett. Eu queria conversar com você. E ouviu-a listando todas as suas falhas de caráter e seu comportamento deplorável com mulheres!
- Estou surpresa por você não ter simplesmente dado as costas — replicou Isabella.
- Pensei nisso, mas, ao vê-la, não pude sair sem dizer nada, mas admito que fiquei furioso, embora mais comigo mesmo do que com você. Parecia que, exatamente quando eu descobria o que realmente queria, o meu maldito passado ia ficar entre nós.
- Eu pensei que era só mais uma entre muitas mulheres. Uma distração de uma noite.
- Nunca. E, se pudesse ter voltado depois, juro que teria. Então, devido àquela crise nos negócios, tive que viajar... mas telefonei todas as noites, querida!
- Sei que telefonou. — Isabella não tinha dúvida quanto a isso. — Eu não estava lá, ou tinha desligado o telefone.
- Voltei assim que pude. Quando descobri que você estava grávida, achei que o destino tinha virado a meu favor finalmente, me dando a vantagem de forçá-la a se casar comigo.
- Mas por que simplesmente não disse...
- E você teria acreditado? Lembre-se de que eu a ouvi contando a sua amiga que eu não era confiável por mais do que algumas semanas. Na sua interpretação, eu fui direto de Tanya a você sem piscar. Como poderia convencê-la de que você era realmente a mulher que eu amava? E você aparentemente estava tão relutante em se casar comigo. Mesmo após o casamento, você continuou insistindo que era tudo falso, que você só estava aqui por causa do bebê.
- Porque pensava que era assim que você se sentia também...
- Então, entende por que optei por tomar uma atitude autoritária e forçá-la a se casar, para depois mostrar-lhe o quanto a amava, nem que levasse o resto da vida para isso.
- Mas, agora há pouco, comentou com Tanya que cometera o pior erro de sua vida...
- Querida, você não ouviu tudo. O que eu disse foi que cometi o maior erro de minha vida pedindo Tanya em casamento quando a mulher que eu mais queria no mundo era você.
- E pensei que você só queria o bebê.
- Oh, Bella... nunca!
Inclinando-se para a frente, Edward pressionou um beijo cálido nos lábios dela, para dispersar todos os temores, ao mesmo tempo que alimentava a necessidade que surgira dentro dela.
- Reneesme é um bônus maravilhoso, mágico e inacreditável. Mas tudo o que sempre quis na vida era a mulher linda e combativa que é a mãe dela. Minha esposa. A única mulher que amo de verdade. Acredita agora, não é?
Como Isabella podia duvidar com aquele sentimento estampado no olhar, no beijo, nas carícias de Edward?
- Claro que acredito — sussurrou. — Afinal, você me deu tanto...
- Eu ainda nem comecei — assegurou-lhe ele. — Mas isso me lembra...
Retirou um envelope branco do bolso e entregou-lhe.
- Eu queria dar-lhe isso mais tarde, antes do jantar - declarou. — Queria que visse isto e então iria dizer-lhe o que sentia, mas a chegada de Tanya mudou todos os planos.
Confusa, Isabella franziu o cenho e abriu o envelope. Havia uma fotografia de um homem alto, com pouco mais de trinta anos, tirada aparentemente havia algum tempo.
- Quem... — Algo no olhar de Edward capturou sua atenção. — Edward...
- O nome dele é McClare — informou Edward. — Charlie McClare.
- Charlie! — Isabella balançou a cabeça, chocada. - Ele... ele é...
Não ousou completar a pergunta, temendo estar deduzindo errado, mas Edward assentiu e sorriu em resposta.
- Este é o seu pai, Bella, querida. O seu pai de verdade, não um vigarista que surge só para tirar proveito da situação.
- Mas como...
- Depois que você me contou sobre ele, na primeira noite, prometi a mim mesmo que o encontraria para você. Contratei um detetive particular e ele trabalhou no assunto desde então.
Edward fizera isso por ela. Entendera que o fato era importante para ela tentar preencher esse vazio em sua vida.
- Quem é ele?
Edward ficou sério.
- Temo que ele já seja falecido. Vou explicar como aconteceu e isso talvez explique o amargor de sua mãe também. Charlie McClare era um homem rico, alguém para quem Renée trabalhou antes de vir para Ellerby, mas era também casado. Eles se apaixonaram. Charlie planejava deixar a esposa e estabelecer-se com sua mãe. Ela veio para cá e ele viria em seguida. Infelizmente, morreu num acidente de carro. Nunca soube que ela estava grávida. Se soubesse, tenho certeza de que teria feito uma provisão no testamento.
Isabella tinha o olhar perdido.
- E ela deve ter pensado que ele simplesmente a abandonara.
Edward assentiu.
- Eu falei com a viúva. Ela admitiu que sabia que ele estava planejando deixá-la e, assim, quando sua mãe tentou descobrir o que estava acontecendo, ela enviou uma carta como se fosse o marido, dizendo que tinha mudado de idéia. Ela se sente culpada agora e contou-me que gostaria de jamais ter feito isso. Foi ela quem me deu essa fotografia, para dar a você.
- Eu entendo — murmurou Isabella. — Só gostaria que mamãe tivesse sabido. Acho que ela nunca deixou de amá-lo.
- Como a filha, ela era uma mulher de tudo ou nada — concordou Edward. — Mas, pelo menos, agora pode mentalmente colocar o nome de seu pai em sua certidão e finalmente conhecer o seu lugar no mundo.
- Sim, posso. Oh, Edward, não sabe o quanto isso significa para mim. Embora tenha que admitir que já não preciso tanto disso. Agora que sei que me ama, sei também qual é o meu lugar e é bem aqui, com você e com Reneesme...
Uma lembrança perturbadora surgiu e ela encarou-o.
- Você estava falando sério quando disse que não considerava ter mais um filho?
- Oh, Bella... — Edward tinha a voz grave e rouca de emoção. — Você sofreu tanto naquela noite e eu só pude assistir. Fiquei pensando no que a minha mãe passou...
- Shh! — Isabella silenciou-o com os dedos e deteve a fluência das palavras. — Não deve pensar assim. Creia-me, Reneesme valeu a pena, da mesma forma que sua mãe deve achar que você também valeu. E você fez mais do que assistir. Você estava lá comigo, em cada segundo daquela noite e, no final, foi você quem colocou o bebê em meus braços. Não poderia ter feito nada mais importante para mim. Exceto agora, quando me disse que me ama.
- Bem, dizer-lhe que a amo é só o começo — as segurou Edward, o olhar obscurecido novamente. — Acredite em mim, pretendo passar o resto da vida afirmando-lhe que, como você, para mim é tudo ou nada e que em você encontrei tudo o que sempre quis.
- E se eu tiver você, não precisarei de mais nada — sussurrou Isabella, sabendo que nunca se sentiria como segunda colocada novamente, pois o poder do amor de Edward sempre a colocaria em primeiro lugar.
FIM


E ai meus amores... Gostaram? Eu disse para vocês que esse homem era apaixonada pela Bella desde sempre! E a Bella agiu como criança o tempo todo, só caiu em si, quando percebeu que poderia perder o Edward! Tipico, as pessoas darem valor quando perde!
Eu quero muito agradecer a voces meus amores, por me acompanhar e participar comigo o mundo dos romances que muito nos ensina... Obrigada pelo carinho que recebo em cada reviews... Vocês moram no meu !
Fiquem com Deus... Boa semana pra cada uma de vocês! Robsteijooosss
Até a proxima!
 Gabi Cullen



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.