quinta-feira, 12 de junho de 2014

Fanfic "Desire And Crime"- Capítulo 38


 Autora: Larissa Hale (Nyah / Larissa)

Sinopse: Edward Cullen conhecido como Antonny, é chefe da Cosa Nostra Americana com apenas 28 anos. Homem impiedoso. Não mede esforços para acabar com alguém e conseguir o que quer. É um homem temido por todos,até mesmo pelo amor. Isabella Swan,conhecida como La Belle ou apenas Bella,tem 24 anos e é prostituta do bordel de James. Uma pessoa considerada fria e sem sentimentos. Foi abandonada pelos pais quando tinha 6 anos. Desde daquele dia não acredita mais no amor. Duas vidas que se encontram apenas em uma noite,mas que pode mudar a vida deles para sempre. Apenas um encontro vai entrelaçar suas vidas pela eternidade....
Capítulos:  /  /  /  /  /  / 7º /  /  / 10º / 11º / 12º / 13º / 14º / 15º / 16º /17º / 18º/19º / 20º / 21º  / 22º / 23º  / 2425º/26 27º / 28º / 29º / 30º / 31º  / 32º / 33º / 34º / 35º / 36º / 37º

Capítulo 38



Bella acordou meio zonza. Sua visão ainda estava meio turva, e seu nariz ardia um pouco. Ela abiu os olhos devagar e viu que estava em um lugar um pouco escuro, que só tinha apenas uma precária lâmpada no teto. Havia também uma cama de solteiro. Era um quartinho muito simples. Bella não se lembrava do que havia acontecido e que lugar era aquele.


Suas únicas lembranças era de estar sentada no jardim, e depois apenas escuridão.




Flashback algumas horas antes....










–-Bella. – Ela escutou alguém chamar, mas estava mais concentrada em seu sono.









–-Hum. – Ela resmungou.







–-Já estou indo trabalhar. Coloque uma roupa quente e vá tomar café direito,ok? Eu te amo. – Ela sentiu Edward depositar um beijo casto em sua testa, e depois ouviu o barulho da porta se fechar.









–-Te amo também. – Bella murmurou sonolenta.










Realmente estava frio, não era o ar condicionado, pois o mesmo estava desligado. Bella estava com dois cobertores, apenas seu rosto ficava á mostra. Bem, pelo menos não chovia. Ela aproveitou que Antony estava calmo em sua barriga, e depois mais um pouco naquele frio gostoso. Tudo bem que não seria a mesma coisa, porque seria mil vezes melhor se Edward estivesse ali do seu lado.









Bella dormiu por mais uma hora e depois se levantou. Foi direto para o banheiro. Fez sua higiene matinal e depois tomou um banho quente. Bella notou enquanto tomava banho, que uma linha escura começava a aparecer em sua barriga, e que seu umbigo começava a aparecer. Sua medica dizia que aquilo era normal. Mas ela gostava de observar as mudanças em seu corpo. Depois Bella se secou com uma toalha, vestiu uma roupa quente e confortável.










Bella foi até a janela do quarto e viu que o tempo estava fechado, mas não iria chover. Ela desceu para tomar café. Chegou e viu a mesa repleta de coisas gostosas. Seus olhos brilharam, mas não iria comer aquilo tudo.









–-Eu vou ter que comer isso tudo? – Disse ela espantada.









–-Claro que não querida. Coma o que quiser. – Sue disse sorrindo.









Bella começou a se servir. Comeu uma salada de frutas, pães, frios e suco. Estava de barriga cheia. Conseguiria ficar até a hora do almoço sem comer nada.









Depois do café, Bella na companhia de Max foram para o jardim. Bella levou o livro junto com ela. Seu livro da semana era Orgulho e Preconceito, uma obra de Jane Austen. Ela já havia lido algumas paginas já, que não tinha muitas coisas que pudesse fazer com aquela barriga enorme. Parecia que estava grávida de gêmeos. Max começou a correr atrás de uma borboleta. Bella teve que rir com a cena. O cachorro, em uma busca desesperada atrás da borboleta. Ela voltou sua atenção ao livro.







–-Precisa de alguma coisa senhora? – Uma voz grossa cortou sua linha de raciocínio.










Bella sentiu um frio de arrepiar a espinha. Ela olhou e viu um dos seguranças de Edward. O tal de Daniel. Ele não ia muito com a cara dele. Ele lhe dava medo com aqueles sorrisos enigmáticos e aquele olhar.







Bella jurava que havia sentindo um ar de sarcasmo quando ele disse a palavra “senhora”. Bella deu uma breve olhada ao redor, e viu que aquela parte da casa não havia ninguém.







–-Não obrigada. – Bella disse secamente.









–-Tem certeza senhora Cullen? Posso ajuda-la em qualquer coisa. – Ele disse em um tom malicioso.









–-Por favor saia. Não ver que quero ficar sozinha? – Bella disse já impaciente com a ousadia daquele empregado.







–-OK. – Ele disse.









Bella foi surpreendida com um lenço embebido de clorofórmio em seu rosto. Ela tentava se soltar, se debatia. Mas o cheiro que entrava em suas narinas era forte. Ela sentiu sua visão escurecer, seu corpo começou a ficar mole e depois só viu escuridão.










Daniel depois do feito, deu um sorriso satisfeito. Ele pegou Bella no colo e a levou dali, sem que ninguém visse.









–-Chefe já estou com a mulher. – Daniel disse ao telefone.







–-Perfeito. Traga a minha Isabella. – Aro disse rindo.








Fim do flashback








Edward ainda estava lá em pé atônico. Como assim Bella havia sumido? Como? Com certeza, ela ainda esta lá, mas deveria estar em algum outro canto daquele mansão. Talvez estivesse no quartinho do bebê, como fazia todos os dias. As vezes passava horas lá, apenas arrumando as coisinhas de Antony.




–-Como assim ela sumiu? O que houve? – Dizia ele atordoado.





–-Nós ainda não sabemos bem o que houve. Tudo que eu sei, é que Sue a procurou para o almoço mas não a achou em lugar nenhum. Ele e outros empregados resolveram procurar por Bella, procuraram em cada canto. Mas acharam apenas Max correndo pelo jardim. – Emmett dizia com um semblante serio.



Edward ia digerindo todas aquelas palavras. Aquilo o deixou meio tonto, por isso, ele se sentou novamente. Sua garganta estava seca.




–-E aqueles idiotas que trabalham pra mim? Eles são cegos?! Como não viram uma mulher grávida sair sem ser vista? – Edward exaltou-se dando um soco na mesa.




–-Sue disse que foi até eles, saber se haviam visto Bella. Disseram que não a viram em lugar nenhum. Então ela resolveu me ligar.




Edward abaixou a cabeça e puxou seus cabelos. Bella não poderia ter saído sem ser vista.




–-Eu tenho que procura-la. Isabella esta grávida de 7 meses, mal consegue andar sozinha. Alguém a levou de lá. Eu vou descobrir quem foi Emmett. – Edward disse com os dentes trincados.






Edward pegou seu paletó e saiu do escritório. Fingiu não escutar os gritos de Emmett o chamando. Pegou seu carro e foi para casa. Como poderia ficar calmo naquele momento? Sua mulher e seu filho haviam desaparecido, sua casa era super protegida, ou pelo menos era o que ele pensava até aquele momento.



Seu sonhos, ou melhor dizendo, seus malditos pesadelos pareciam ser premonições, ou algo a ver. Agora tudo fazia sentido. Todos aqueles pesadelos, que o assustavam durante meses. Bella sumindo, ou sofrendo, eram avisos. Mas ele não prestou atenção. Mas faria de tudo para encontra-la.




Lagrimas caiam de seus olhos. Não tinha vergonha de confessar, que naquele momento estava chorando. Seu coração doía, só de pensar na possibilidade de algo ter acontecido com ela. Ele estacionou seu carro do lado de fora e saiu entrando em casa.



–-BELLA! BELLA! – Ele entrou em casa gritando.



Edward queria que naquele momento, ela aparecesse ali e o abraçasse. Mas não estava ali.



–-Menino Edward acalme-se. – Sue disse.



–-Me diz o que houve Sue. – Disse ele com a voz falhando.




–-Eu não sei meu filho. Eu fui chama-la para o almoço, mas não a encontrei. Eu, e alguns empregados e seguranças fomos procura-la, mas não a encontramos em lugar nenhum. – Sue disse.



–-Como Sue? Como Bella saiu daqui sem que ninguém a visse? Já tentaram ligar para o celular dela? Talvez ela tenha saído com minhas irmãs. – Edward engolia o choro. Queria achar uma explicação concreta sobre esse estranho sumiço de sua mulher.





–-Já tentamos, mas o celular estava no quarto de vocês. Os seguranças que estavam na guarita não viu Bella sair ou nenhum estranho entrar. A ultima vez que ela foi vista, foi no jardim junto com Max.




Edward, assim que Sue terminou de falar, saiu porta á fora. Ele andou até os fundos da mansão. O jardim. O lugar preferido de Bella nos últimos dias, e agora era o ultimo lugar que ela foi vista.




–-BELLA! – Edward gritou.



Ele andou aquilo tudo ali e nenhum sinal dela. Edward acabou tropeçando em algo, quando olhou para o chão viu que era um livro. Na capa havia o titulo, Orgulho e Preconceito. O livro que Bella havia começado a ler, e agora estava jogado ali de qualquer jeito. Edward franziu o cenho. Havia algo de muito errado ali. Bella não tinha nenhum motivo para o deixar por livre e espontânea vontade. Ela com certeza havia sido levado dali, a força. Bastava agora ele achar quem havia feito aquilo e o motivo. Mas quando ele descobrisse o culpado, não iria querer explicações ou mesmos suplicas. A pessoa que havia levado Bella dali, havia assinado sua certidão de óbito.





Em algum lugar dali.....







Bella ainda continuava lá naquela cama de solteiro. Ela havia observado aquele lugar ali todo. Havia uma pequena janela, e que estava trancada com cadeados e correntes. Havia uma outra porta, que a levava ao banheiro. Era um quadrado, que tinha apenas um vaso sanitário, uma pia e um espelho. Bella havia tentando abrir a porta, mas estava tudo trancada.




Bella não sabia quanto tempo estava ali encarcerada. Antony sentia o pavor que a mãe sentia, e começou a se mexer constantemente dentro de sua barriga. Ele só se acalmou quando Bella começou a cantar uma canção de ninar. Era uma canção em italiano, que Edward cantava quando o bebê estava agitado e funcionava.



–-“Ninna nanna, ninna oh.
che danno questo bambino?
il dare alla sua mamma
Che Le canta “ninna nanna”
Il dare al suo papà
Che tanti baci Le darà
Il dare alla ninnina
Que le canta uma canzoncina
Ninna nanna, ninna oh
che danno questo bambino?








Só de se lembrar de Edward, lagrimas caiam de seus olhos. Ela sentia falta dele e de sua proteção, as vezes, um pouco excessiva, mas naquele momento Bella sentia falta até dos defeitos dele. Seu estomago começou a dar sinal. Bella fez uma careta de desconforto. Já deveria passar das duas das tardes. Sua ultima refeição havia sido apenas o café da manhã. Bella se deitou naquela cama e fechou os olhos e acabou cochilando pela fome.



Horas ou talvez minutos depois, a porta daquele quarto se abriu. Bella acordou e se levantou rapidamente. Ela sustentou o olhar, e observou a pessoa que entrava ali com uma bandeja nas mãos. Bella, assustada, abraçou sua barriga como forma de proteção. Era Aro ali. Ele tinha um enorme sorriso no rosto. HIPOCRITA.



–-Aro? Foi você que mandou me sequestrar? – Bella disse descrente.



–-Não é meio obviu querida? Eu sempre deixei bem claro, que me vingaria dos Cullen. – Aro disse colocando a bandeja em uma mesa pequena e velha.




O estomago de Bella roncou alto. Estava faminta. Mas não poderia comer aquilo. Não confiava em Aro, e como ele mesmo quis dizer, ele era um objeto de vingança.





–-Mas por-qu-ue e-eu? Eu n-ne-em sou uma Cullen. – Ela gaguejava.




Aro se aproximou dela, se agachou a fitando. Ele passava as mãos pelas maças do rosto dele. A reação de Bella naquele momento foi virar o rosto. Sua bile subiu a garganta. Tinha vontade de vomitar.





–-Oh querida, você é sim uma Cullen. Carrega o sobrenome deles, e um filho de um deles. Esse bastardo que esta ai dentro, tem o mesmo sangue que eles. Assim como o outro. Lembra-se Bella? O pequeno feto, que até então crescia saudável dentro de você, e que eu mesmo me encarreguei de extermina-lo? – Aro dizia com placidez pousando sua mão na barriga de Bella.



Ao se lembrar daquelas malditos momentos, Bella retesou ao toque. O medo lhe tomou conta. Não podia perder seu outro filho. Não agora, que faltava poucos meses para ver o rostinho de seu bebê.




–-Por favor Aro. Não faz nada com o meu filho. Por favor. – Bella suplicou a voz embargada.




–-Oh se acalme meu amor. Não vou te machucar, pelo menos não agora. – Aro deu um sorriso de dar arrepio.




Bella sentiu mais pavor ao ouvi-lo chamar de ‘’amor’’. Aro era um maníaco filho da puta.




–-Agora eu vou deixar você comer e descansar. Volto logo, e aproveite a estadia. – Aro depositou beijo nas mãos de Bella e saiu.



Bella soltou um soluço. Queria ir embora para os braços de Edward. Ela encarou a bandeja e seu estomago roncou alto. Estava morrendo, e seu corpo já tremia. Ela se levantou, e com passos trêmulos e inseguros, foi até a pequena mesa. Aro era esperto e não iria colocar veneno na comida dela, e perder seu objeto de vingança. Ele iria tortura-la psicologicamente e seria de um modo lento. Bella só pedia que ele poupasse a vida de seu pequeno e inocente Antony.



Na bandeja havia um copo de leite, dois pães com queijo e um pedaço grande de bolo. Bella, em poucos minutos comeu aquilo tudo. Bem, não era o almoço que estava acostumada, mas pelo menos aquietava seu estomago e alimentava seu bebê.




Bella foi ao banheiro mais uma vez. Sua bexiga estava cheia novamente. As vezes, Antony se acomodava bem em cima de sua bexiga, ou até mesmo a chutava. Aquele pequeno banheiro não havia janela, ou muito menos um chuveiro. Depois de fazer suas necessidades, ela se arrastou até a cama e se deitou em posição fetal. Bella começou a chorar. Não sabia se alguém já havia se dado conta de seu desaparecimento. Bella só pedia a deus, para que Edward achasse logo e que seu pesadelo acabasse.







Em Seattle....










Edward havia chamado todos os seus empregados, inclusive seus seguranças. Olhou fixamente nos olhos de cada um, e os interrogou. Nenhum deles havia visto Bella em lugar nenhum. Sua vontade era de quebrar todos os objetos daquelas casa, de tamanha que era sua raiva e frustração. Aro havia conseguido o que queria. Pegou Bella e seu filho. Se algo acontecesse com os dois, seu mundo ruiria.




Edward foi para o escritório. Tomou um copo de whisky, aquele já deveria ser o quarto ou quinto. Mas estava tão focado em sua busca, que o álcool já não fazia mais efeito. Uma lâmpada se acendeu em sua cabeça. Câmeras de segurança. A casa era rodeada por elas. Ele sempre achou que, aqueles homens que estavam ali trabalhando para ele, não era tão competentes o suficiente, e estava realmente certo. Mas ele não era especializado naquele assunto. Mas Jasper era.




Edward pegou o telefone e digitou os números de Jasper rapidamente, e no terceiro toque o cunhado atendeu.



–-Edward? Tudo bem? Emmett me contou do sumiço de Bella. Você conseguiu encontra-la? – Jasper disparou.




–-Não Jazz. Não consegui. Aro a pegou, tenho certeza. Eu acabei de me lembrar que a casa é rodeada de câmeras. Você consegue ver a ultimas imagens, ou seja, as imagens da hora do sumiço de Bella? – Edward perguntou esperançoso.



–-Sim, as câmeras gravam.



–- Ótimo. Preciso que venha para cá agora. Até logo. – Edward desligou o telefone.




Edward ficou 30 minutos esperando por Jasper. Foram dolorosos 30 minutos. Cada minuto que se passava de espera, seu coração doía, porque não sabia se sua mulher e seu filho estavam, não sabiam se estavam sendo bem tratados.



Jasper chegou acompanhando de Emmett. Jasper repassou toda a fita de segurança.



–-Espera um pouco. Sue disse que Bella estava no jardim. Talvez o sequestro tenha acontecido lá. – Emmett raciocinou.



Edward o encarou. Emmett era brincalhão, mas tinha seus momentos de seriedade e inteligência, como agora por exemplo. Ele tinha mesmo razão. Edward, Jasper e Emmett assistiram toda a gravação. Lá estava Bella no jardim, sentada em um banquinho. Até, que um homem apareceu. A câmera não tinha funções de áudio, então Edward não podia escutar o que diziam. Mas pela expressão de Bella podia saber que tinha algo errado. Olhando melhor, ele conhecia muito bem aquele cara.





–-Eu conheço esse filho da puta! Esse merda trabalha pra mim, dentro da minha casa. – Edward se exaltou.



Eles continuaram a assistir. Edward viu vermelho na parte em que Daniel colocava um pano no rosto de Bella, a fazendo desmaiar. Edward pegou um copo e jogou na parede. Os cristais ficaram todos no chão.




–-Calmo mano. – Jasper disse colocando a mão no ombro dele.



–-Calma?! Esse filho da puta levou minha Bella e meu filho ....e você me pede calma?!




–-Nós vamos acha-lo.





–-Claro que vamos. Eu quero esse idiota aqui vivo. Eu faço o resto do serviço. – Edward deu um sorriso maléfico.




Emmett e Jasper foram embora deixando Edward. Ele abaixou a cabeça e começou a se lembrar de seus momentos com ela.



O primeiro dia em que a viu naquele borde.





–-Com licença. – Ela disse e Edward a olhou.




Edward estava hipnotizado com aquela morena bonita. Seus olhos passaram pelos seios redondos dela, que apareciam discretamente sob o vestido. Seu olhar foi descendo para a cintura dela e pararam diretamente em suas coxas. Com certeza havia feito uma boa escolha.



–-Olá. – Edward disse dando seu típico sorriso torto.



–-Vamos para um lugar mais reservado? – Bella disse sensualmente mexendo nos cabelos.



–-Claro. – Ele disse pousando o copo na mesa.






Depois de um tempo, seus encontros começaram a ser tornar frequentes. Edward passou a ser dependente dela. Nenhuma outra mulher o satisfazia como ela. Mas ele não queria admitir isso á si mesmo.



Ficou maluco ao receber a ligação estranha dela, e a encontrou naquele apartamento. Nua e machucada. Se lembrava exatamente.



Depois que Edward recebeu a estranha ligação de Bella, ele chamou Emmettt e Jasper e mais alguns homens e foi ao apartamento de Isabella.. Aquilo poderia ser uma armadilha e não podia arriscar. Ele bateu na porta de Bella,mas ninguém abriu. Então sinalizou para os homens e entrou com a arma na mão. Assim que entrou encontrou Bella nua,caída no chão e toda machucada. Sua casa estava toda revirada.



–-O que aconteceu aqui? – Emmett disse olhando toda a área.



–-Temos que leva-la pro hospital. Você acha que foi Aro? – Jasper disse a Edward.




–-Sem duvida. Emmett eu quero que você vá até o quarto dela, e pegue um robe ou alguma coisa para vesti-la. Eu vou levar ela pro hospital. – Edward disse tocando em Bella. Ela ainda estava quente,quer dizer que ainda estava viva. Apenas estava desacordada.










A primeira vez que ele disse “ eu te amo”.



–-Você não precisa se preocupar comigo. Vá cuidar do seu “Jake”. – Ele disse com um ar de deboche e Bella paralisou surpresa.



–-O que sabe sobre Jacob? – Ela perguntou.




–-Você pensa que pode me enganar,não é? Bem debaixo no meu nariz. Eu sei que você se encontrou com esse tal de Jacob ontem. E sei também que ele é seu amante. – Ele disse em com um tom acusador.



–-Antony do que você esta falando? – Bella disse confusa. De onde ele havia tirado aquilo?




–-EU ESTOU FALANDO DO QUÃO VADIA VOCÊ É! ENTÃO VOCÊ SEMPRE TEVE UM AMANTE FIXO,NÃO É? O QUE ELE ACHAVA DE VOCE DAR EM TROCA DE DINHEIRO POR AI? – Ele já gritava furioso. Se continuasse a falar alto com certeza iria acordar todos os empregados da casa.




–-Você é maluco? O que você tem na PORRA DA SUA CABEÇA? QUEM VOCÊ PENSA QUE É PRA FALAR ASSIM COMIGO? PRA MIM VOCÊ É MAFIOSO DE MERDA. – Bella cuspiu.




Edward se aproximou de Bella como se fosse um felino prestes a atacar. Ele estava tão furioso,que Bella pensou que fosse apanhar. Mas ele apenas segurou em seu rosto o apertando,mas não com muita força.




–-EU É QUE TE PERGUNTO,QUEM VOCÊ PENSA QUE É PRA FALAR DESSE JEITO COMIGO? Eu posso te matar de uma forma bem lenta e dolorosa,sabia? – Ele sibilou enquanto a fitava.




–-ENTÃO POR QUÊ NÃO ME MATA LOGO? – Ela gritou olhando pra ele desafiadoramente.




–-Porque eu não posso. – Ele disse largando o rosto dela e subindo as escadas. Ele parou do penúltimo degrau e olhou pra Bella.




–-Por mais que você me odeie e tenha uma amante e que se encontra com ele,eu não posso mata-la. Não posso tocar em um fio de cabelo seu. Porque eu não consigo. Porque eu amo você,mesmo que você não sinta o mesmo. – Ele disse lhe dando um sorriso triste e saindo das vistas de Bella.





Mais ouve momentos de dor depois de sua reconciliação com ela. O momento em que ela partiu sem lhe dar explicações. Seu coração havia ficado despedaçado. Não queria ver ninguém. Mas Bella voltou e trouxe com ela sua felicidade.




–-Edward. – Sua voz saiu em forma de sussurro.






Edward se virou. Pensou que estava ficando maluco. Estava ouvindo coisas que não existiam. Assim que ele viu a imagem de Bella ali, deu um pulo da cama. Não era possível, só podia ser um sonho.





–-Be-be-Bella? I-Isso é um sonho? – Ele gaguejou, coçando os olhos. Tentava acordar.






Bella deu alguns passos para frente e sorriu em meio as lagrimas.






–-Não meu amor. Isso não é um sonho. Eu estou aqui. – Bella disse estendendo a mão em sua direção.





Edward meio hesitante, andou em direção á Bella. Ele tocou a mão quente dela, e viu que era ela ali mesmo. Em carne e osso. Sua Bella estava ali novamente. Edward a pegou e a abraçou. Bella deixou sua cabeça pousar no peito dele.





–-Eu não acredito que você esta aqui. – Edward disse com a voz embargada.






Bella olhou para o rosto de Edward e viu algo que nunca pensou em ver em um homem como ele, forte. Ele chorava.





–-Eu estou aqui e nunca mais vou sair. – Bella ficou na ponta dos pés e encostou seus lábios nos dele.




Edward saiu do seu escritório, e subiu as escadas. Ao invés de entrar em seu quarto ele passou direto e foi até o quarto do seu filho.



–-Aonde vocês estão? – Ele sussurrou de olhos fechados, com as mãos nas laterais do berço.








Um pouco longe dali...








A noite já havia caído. Bella continuava sentada naquela cama, ela abraçava os joelhos protegendo sua barriga. Não havia muito o que se fazer ali. Pelas suas contas, já deveria se passar das sete da noite. Edward deveria estar louco atrás dela, ela esperava que sim. Aro pelo menos não havia aparecido ali novamente. Havia deixado ela em paz. Por incontáveis vezes, Bella foi até a janela que havia ali, mas não reconhecia nada do lado de fora. Parecia estar em uma área desértica.



A porta novamente se abriu, e ela se encolheu. Eram duas pessoas. Uma mulher e um homem..



–-Quem são vocês? Vieram pra me salvar? – Ela perguntou esperançosa.





O homem deu uma risada e a pequena mulher lhe deu um olhar triste, de pena. Ela segurava uma bandeja nas mãos.



–-Eu sou Caius, irmão do Aro. Anda logo Claire, tenho coisas pra fazer. – Caius deu um pequeno empurrão em Claire.



A mulher se aproximou de Bella e colocou a bandeja em cima da cama, ao lado dela. Bella a olhou com suplica, lhe pedindo ajuda.




–-Desculpa. – Claire sussurrou virando-se de costas e saindo dali com Caius.




Bella encarou a bandeja com o seu jantar. Era uma sopa, acompanhada de um copo de suco e uma maça. Ela rapidamente começou a comer. A sopa realmente estava ótima. Depois de se alimentar Bella deixou a bandeja em cima da mesa, e seguiu para o banheiro. Lá fez xixi, lavou o rosto e a boca e foi se deitar.



A noite estava fria. Bella havia retirado suas sapatilhas. Para sua sorte e de seu filho, Caius, o irmão de Aro havia deixado ali um cobertor. Ela se enrolou e ficou em silencio.



–-O papai vai vir nos buscar. – Ela sussurrou acariciando sua barriga.



Bella ficou ali de olhos abertos, esperava apenas o sono chegar. Estava demasiadamente cansada, mas não conseguia pregar os olhos um minuto sequer. O seu medo era maior. Seus pensamentos eram todos em Edward. Ela tinha fé que ele iria acha-la. Ela só esperava estar viva quando isso acontecesse.



Irmandade Robsten Legacy Visite nossa Galeria

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar saiba que:
1. Você pode se Cadastrar com sua rede social para comentar é muito simples. Clique AQUI para saber mais.
2. Comentários, imagens e links ofensivos a Robert, Kristen ou ao trabalho realizado por esse fandom serão deletados e banidos.
2. Evitem usos de palavrões e confusões pois esses comentários serão deletados e colocados na lista de SPAM.
3.Links de sugestão de máterias por favor enviem para irmandaderobsten@hotmail.com ou no nosso chat.